Entrevista Luísa Peleja

04:03

Tive a oportunidade incrível de entrevistar Luísa Peleja.
Dona de duas marcas bem sucedidas e digital influencer com mais de 100 mil seguidores no instagram.




Quais os desafios você enfrenta sendo uma digital influencer?
Tem vários, porque a partir do momento que você passa a lidar com as pessoas, você tem que ter muito cuidado com o que você fala e o que você faz. Bem ou mal, você é responsável por inspirar pessoas. Pelo feedback que eu recebo, as vezes eu sendo eu vivendo, influencio pro bem. Eu sigo um critério a risca de que eu preciso escolher muito bem quais marcas e serviços me associar, porque é uma relação de confiança com o público, é como sua amiga, uma vez que você quebra, você quebra pra sempre. Outro desafio é você manter uma certa distância, porque as redes sociais aproximam e isso é um privilégio pra mim, mas ao mesmo tempo muita gente confunde liberdade com intimidade, perguntam coisas fora de mão e eu nunca quero ser mal educada com ninguém. O grande desafio é que é uma grande responsabilidade se aproximar sem causar maus entendidos.


A partir de qual momento você sentiu que havia se tornado uma digital influencer e o que te inspirou a continuar?
Na verdade, as pessoas que me falavam e eu achava muito estranho. Hoje em dia eu valorizo isso, porque eu vejo positivamente eu agindo na vida das pessoas sem mesmo querer e as pessoas indo atrás dos serviços que eu uso e isso é sinal de que elas acreditam em mim. Então, a partir desse momento, eu não lembro de um período certo, acho que ainda está acontecendo, marcas vindo me procurar, pessoas de outras cidades me reconhecendo em viagens, etc.


Além do retorno das marcas, você recebe o retorno de influência de ideologias e pensamentos seus?
Sim, muito! Isso pra mim é o mais legal. Claro, eu adoro ser reconhecida por minha vaidade, minhas makes, minhas roupas, pela pessoa que eu sou por fora, mas isso não é o principal, isso é natural da Luísa, eu acordo, faço make, eu sempre fui vaidosa. Mas o que mais vale é que eu quero que as pessoas me admirem, me sigam, pelo que eu sou. Os seguidores “raiz”, os que me acompanham há muito tempo, normalmente me seguem até hoje porque me conhecem e são esses que eu me interesso. Vai ter gente que vai me seguir por causa das roupas que eu estou usando, porque está se identificando com o estilo que eu estou nesse momento, mas daqui a pouco eles acham alguém mais bonito ou mais legal que esteja na mesma fase e isso passa. Mas as pessoas que se identificam pela minha ideologia e meus pensamentos vão ficar sempre e isso me incentiva a postar textos de pensamentos na minha outra conta do instagram.


Suas marcas próprias surgiram antes ou depois de você se tornar uma Digital Influencer?
Foi ao mesmo tempo. Na época da faculdade eu tinha um blog com as minhas amigas, mas quando eu saí da faculdade eu comecei a trabalhar, tive que parar com o blog e cada uma seguiu um rumo, eu precisava ganhar experiência, dinheiro, fazer networking e tipo assim, eu sempre quis ter um blog, fazer meu nome de qualquer forma, porque eu queria trabalhar com moda e quem não é visto, não é lembrado. Só que eu não queria ser blogueira e viver só disso, eu queria ter minhas próprias empresas, um negócio que caminhasse junto. Aí o instagram, eu criei quando surgiu a plataforma e migrei alguns conteúdos que eu colocava no blog pra lá, mas sem pretensão nenhuma, foi gradativo e as pessoas foram compartilhando. Enquanto isso, eu trabalhando na Lace It e na Browneria e o instagram acontecendo, foi simultâneo. Mas eu só entendi o peso da Luísa Peleja como marca de dois anos pra cá, agora que eu to ajustando tudo e entendendo como business.

Qual forma de comunicação você acha mais eficaz, o relacionamento direto com o público ou a relação só das marcas, divulgar o que quer…?

É, depende, porque eu tento buscar um equilíbrio em tudo. Principalmente agora, com instagram, youtube, eu sempre tento me colocar no lugar da pessoa que me assiste, “o que eu gostaria de ver?”, primeiro que um instagram que é completamente vendido, pra mim não tem credibilidade, então eu mesclo, eu nunca trabalho com muitas marcas ao mesmo tempo, ao longo da semana eu escolho quais marcas eu vou postar, não dá pra sair postando tudo um atrás do outro.

Você Também Pode Gostar

0 comentários